Férias,  Minha Itália,  Minha vida em Roma,  Viena

A Disnatia dos Habsburgos

O primeiro ancestral rastreável da dinastia Habsburgo é o conde Guntram,chamado “o rico”, cujo nome é encontrado em documentos de 952 depois de Cristo. O nome da família deriva do nome do castelo chamado “Habichtsburg” (cantão de Aargau), construído por volta do ano 1020 no norte da Suíça. De acordo com a história contada na família um dia o neto de Guntram, chamado Radbot conde de Altenburg, perdeu seu falcão de caça e então foi procurá-lo e depois de muito tempo o encontrou em Wülpelsberg,uma colina perto do rio Aare.
Ele reconheceu o potencial defensivo daquele lugar estratégico com boas vistas em todas as direções e consequentemente, construiu seu castelo lá em colaboração com seu cunhado Wernher I,bispo de Estrasburgo.
O nome abreviado Habsburg, de uma forma mais conveniente, remonta ao ano de 1100, usado pelo neto de Radbot, chamado Otto II. No século XV, os Habsburgos perderam seu castelo e seu território suíço,mas não a influência importante nas regiões de língua alemã, principalmente na Áustria.

Em 1273, nove gerações depois de Guntram,Rudolf,conde de Habsburgo,foi eleito rei germânico.
Após a derrota de Ottocaro II rei da Boêmia,na batalha de Dürnkrut (Baixa Áustria) em 26 de agosto de 1278,ele tomou terras austríacas sob sua administração.
Desde então, até 1918 a Áustria e suas terras da Coroa foram governadas pelos Habsburgos.
É uma incrível regência dinástica de 640 anos de uma família com o tempo o território da Casa da Áustria se estendeu a um império mundial no qual o sol nunca se punha.
No auge de seu império,incluindo os territórios da maior parte da Europa continental(exceto França e Suíça) da Holanda ao oeste e da Ucrânia ao leste da Polônia ao norte da Itália e dos Balcãs à sul, assim como Espanha e Portugal,com suas colônias na África,América Latina,Pacífico e Ásia.
Em grande parte,essa expansão em toda a Europa em vez de ser o resultado de conquistas,foi conseqüência de uma política proverbialmente prudente de casamentos dinásticos.
Em 1521, «todo e vasto Império Habsburgo foi dividido em dois ramos o espanhol e o austríaco.
O imperador Carlos V tomou a Espanha e Portugal sob sua regência ele ofereceu a seu irmão Fernando I,que o sucedeu no trono,o território austríaco,que também incluía a Boêmia e a Hungria.
O filho de Carlos,Filipe II da Espanha(ao mesmo tempo que Filipe de Portugal o nome das Filipinas deriva dele), tornou-se por um curto período de seu casamento com Maria Tudor também rei da Inglaterra.
Durante quase sete séculos de governo, a dinastia Habsburgo seguiu 18 imperadores(de Frederico III em 1452 a Carlos I em 1918),também incontáveis ​​reis,príncipes,duques,arquiduques,condes e outros membros da família que eram governadores das várias regiões e províncias da coroa.

O ramo espanhol,no entanto,se extinguiu na década de 1700.
O ramo austríaco continuou a governar o Sacro Império Romano (fundado pelo imperador Carlos Magno no século XIX). Somente no início do século XIX,sob a pressão de Napoleão e seu exército, Francisco II declarou o fim do Sacro Império Romano em 1806,chamando-se a partir de então Imperador da Áustria, Imperador Biedermeier Francis I.

No entanto, em 1848, no “Ano das revoluções”,quando seu sobrinho arquiduque Franz Joseph se tornou imperador Habsburgos na Áustria ainda se tornou uma das cinco grandes potências européias e a residência de verão em Bad Ischl se tornou um local para reuniões diplomáticas,isto foi de importância mundial.
Após a batalha de Königgrätz em 1866,em outras palavras,após a vitória do Reino da Prússia,cujo chamado “Chanceler de ferro Otto von Bismarck pretendia administrar os territórios de língua alemã, a Áustria perdeu seu papel de liderança.
Em 1871,após outra vitória militar sobre a França,Bismarck proclamou o segundo império alemão, desta vez sob o domínio prussiano.

Em 1867,os húngaros obtiveram a separação do Império Habsburgos,favorecido pela imperatriz Elizabeth(Sissi)de modo que o Reino da Hungria foi proclamado sob o rei Francisco José I,na prática o Império Austro-Húngaro sob o monarca Francisco JoséI imperador da Áustria e também rei da Hungria.
A constelação de “K.u.K.” (kaiserlich und königlich), no sentido “imperial e real”,referente a toda a administração,defesa,política externa etc,terminou em 1918.
Após o suicídio do príncipe herdeiro Rodolfo em 1889,o arquiduque Francesco Ferdinando,neto do imperador,filho de seu irmão Carlo Luigi,tornou-se herdeiro do trono austro-húngaro.
O assassinato de Francesco Ferdinando e sua consorte Sofia em Sarajevo pelos nacionalistas sérvios em 28 de junho de 1914 causou a declaração de guerra contra a Sérvia,assinada por Francisco Josá em sua mesa na Vila Imperial de Bad Ischl, que provocou a Primeira Guerra Mundial.
O último governante dos Habsburgos foi o jovem arquiduque Carlos,sobrinho do irmão de Francisco.
Francisco José morreu em 21 de novembro de 1916,após 68 anos de regência e Carlo o sucedeu no trono do Império Austro-Húngaro.

A Vila Imperial de Bad Ischl permaneceu na posse dos descendentes diretos de Francisco e Elisabeth.
Carlo,um pacifista convencido,não conseguiu acalmar a situação agressiva e parar os conflitos com consequência de um grande número de mortos e feridos.
Apenas a atual República Federal da Áustria permaneceu.

Após sua breve regência de dois anos Carlos morreu em seu exílio na Ilha da Madeira em 1922.
A imperatriz Zita,sua consorte,princesa de Bourbon-Parma morreu 68 anos depois,em 1989.

O filho mais velho deles o príncipe herdeiro Otto,conhecido como doutor Otto von Habsburg, foi um dos oponentes mais importantes do regime nazista.

Ele trabalhou por muitas décadas no movimento pela integração européia.
Sua retirada do Parlamento Europeu em 1999 significou o fim de mais de 700 anos de influência e liderança contínuas dos Habsburgos na Europa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: