Férias,  Minha Itália,  Minha vida em Roma,  Viena

Conhecendo Viena Part.I

A nossa viagem inicia um passeio por Dr.-Karl-Renner-Ring onde se encontra o Parlamento Austriaco.

O simbolo democrático depois da monarquia,contruida entre 1874 e 1883 o Parlamento foi construido em um estilo neoclássico e neogrego o arquiteto que projetou o parlamento foi Theophil Hansen.

Não muito longe encontramos o Castelo de Hofburg um imenso complexo arquitetônico,que ocupa a grande área das antigas possessões imperiais.
Por 600 anos o Castelo de Hofburg foi a residência dos Kaiser,abriga vários museus,uma capela,uma igreja,a Biblioteca Nacional Austríaca,a Escola de Equitação do Inverno e o gabinete do Presidente da Áustria.
Nesta seção abordaremos a visita mais importante que é a que atravessa os Apartamentos Imperiais (Kaiserappartements) o Museu de Sissi e a Patraria Imperial que com o fim da monarquia dos Habsburgos,os talheres tornaram-se propriedade da República da Áustria.
O museu exibe serviços luxuosos de copos,objetos de prata e porcelana,utensílios e toalhas de mesa da cozinha imperial
Em seguida visitamos o museu da Imperatriz Elisabeth di Baviera(mais conhecida como Sissi) e seu esposo o Imperador Francisco José I com 16 cômodos separados por vários estilos entre eles o baroco,rococó,colonial.
Visitas:
De setembro a junho: das 9:00 às 17:30
De julho a agosto, das 9:00 às 18:00.
Preço:
Adultos: 15 €.
Estudantes,Cartão Viena: € 14.
Crianças dos 6 aos 18 anos: 9 €.
Entrada gratuita com o Vienna Pass.


Construído no século XVII,o Palácio de Schönbrunn era a enorme residência de verão da família imperial.
Os quartos, decorados em estilo rococó como os salões oficiais impressionam com sua suntuosidade,assim como, pelo contrário a simplicidade dos quartos particulares de Francisco José I e da imperatriz Elisabeth.
Algumas das salas mais interessantes do palácio são a Grande Galeria dos banquetes imperiais,a Sala Circular Chinesa,onde Maria Teresa manteve conversas privadas com seu chanceler,a Sala do Café da Manhá e a Sala Azul Chinesa,onde em 1918 Carlos Iabdicou.
Visita:
Grand Tour; Adultos 20€, dos 6 aos 18 anos: 13€.
Tour Imperial; Adultos 16€, idades entre 6 e 18: 11,50€.
Labirinto; Adultos 6€, dos 6 aos 18 anos: 3,50€.
Gloriette; Adultos 4,50€, idades dos 6 aos 18: 3,20€.
Entrada gratuita com o Vienna Pass.


Em seguida o nosso passei foi a Igreja Santa Maria dos Anjos onde se encontra a Igreja dos Cappuccini(Cripta Capucinha) que foi construida para ser a Cripta Imperial di Viena da 1633 é o lugar de eterno repouso da dinastia Hasburgos,la estão sepultados Imperadores do Sacro Romano Impero,Imperadores da Austria e seus descendentes.
No mausoléu encontramos verdadeiros monumentos com o passar dos anos a cripta foi reformada e ampliada para acomodar os membros do imperio.


Os túmulos independentes são geralmente uma variação de um baú com teto plano ou uma bacia com lados inclinados e uma tampa convexa com velas decoradas os ornamentos variam de simples a mais elaborados.
Até o século XVIII, o material mais comum para um sarcófago era semelhante ao bronze uma liga de estanho,coberta com goma-laca.
Os esplêndidos túmulos dos períodos barroco e rococó são feitos de bronze real um material mais nobre e portanto, mais caro
A reforma do imperador José II simplificou os costumes para o enterro de pessoas e introduziu o uso de cobre mais leve e mais barato na Cripta Imperial,onde foi usada no século XIX.
No final de 1800,uma mistura de latão e bronze foi adotada,conhecida como cobre prata-bronze. Outros materiais eram usados apenas raramente exceto placas de prata e ouro para decoração.
Dentro do caixão o corpo geralmente apresenta os órgãos removidos como um procedimento necessário do processo de embalsamamento para exposição antes do funeral.


O coração era colocado em uma urna de ouro em um local separado a Herzgruft (a Capela dos Corações) na Igreja dos Agostinianos,e alguns intestinos e outros órgãos foram colocados em urnas de cobre e depositados na Cripta Ducal nas catacumbas da catedral de Viena,a Catedral de Santo Estêvão.

Falando de catedrais também fomos visitar a Catedral de Santo Estêvão em alemão Stephansdo,não é apenas a maior e mais bonita igreja da Áustria mas também é a igreja “oficial” da casa real dos Habsburgps há séculos,os casamentos de príncipes e imperadores e os batizados de seus filhos foram celebrados na catedral,em suas catacumbas,as urnas,com os orgãos dos nobres vienenses,duques e muitos Habsburgos foram mantidos.

Lá os imperadores competiram para embelezar e enriquecer o interior e sempre adicionar novos superlativos,a torre sineira mais alta da Áustria,a maior e mais pesada da Europa o telhado mais elaborado e decorado do mundo cristão.
Nos séculos XVIII e XIX, ou seja, no período do maior esplendor dos Habsburgos,o poder da monarquia se baseava em três pilare,no exército que defendia e ampliava as fronteiras do vasto império e que garantia a ordem dentro dele a burocracia que a administrava de maneira mais ou menos eficaz e sobre o clero da Igreja Católica que mantinha unidas as muitas populações e grupos étnicos diferentes.
A igreja,o terceiro pilar da monarquia,queria ter um símbolo representativo e o encontrou na catedral de Santo Estevão, exatamente no centro de Viena e portanto no centro da monarquia.


A catedral portanto,representava a forte união entre a monarquia e a igreja católica e, consequentemente, sua torre sineira deve ter sido a mais alta do império Habsburgo.
Por esse motivo,os construtores da torre sineira da catedral de Linz foram forçados a parar dois metros abaixo do de Viena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: