Arte,  Museus

O Museu Vaticano

O museu Vaticanos são um mundo em si mesmo, um grandioso e fantástico conjunto de edifícios com incontáveis salões, salas,museus,galerias,livrarias,capelas,corredores,pátios,jandins,ricos de inumeráveis tesouros da arte de todo o gênero .
Depois do Renascimento,não ouve nenhum grande artista que aqui não tenha deixado a impressão imortal do seu gênio.Não existe alma, amante da beleza que possa subtrair-se ao maravilhoso fascínio.A entrada nos museus do Vaticano encontram-se no Viale Del Vaticano.

Museus Chiaramonti

Do belo Pátio della Pigna um dos três setores em que se encontra divido o vasto pátio do Belvedere de Bramante,entra-se neste museu egípcio.Deve o seu nome a Pio VII(1800-1823),da família Chiaramonti que quis continuar a obra dos seus antecessores
Clemente XIB e Pio VI procedendo à organização de uma notável
parte das coleções do Vaticano.
Neste sentido, fez construir a Antonio Canova um longo corredor ao lado do Pátio della Pigna colocando ali oitocentas esculturas

Museu Pio-Clementino

O núcleo original das coleções pontifícias da escultura clássica remonta ao “Cortile delle Statue” (hoje o pátio octogonal) do Papa Júlio II (1503-1513). Na segunda metade do século XVIII, as coleções pontifícias foram aumentadas tanto por meio de escavações nas áreas romanas e do Lácio, como por aquisições de colecionadores ou antiquários.Através da influência do pensamento iluminista,eles foram transformados em um museu público no sentido moderno, com a tarefa de proteger obras antigas de arte e promover seu estudo e conhecimento. Batizado de Pio Clementino pelo nome de seus fundadores, Clemente XIV Ganganelli (1769-1774) e Pio VI Braschi (1775-1799), o museu era composto por showrooms, obtidos pela adaptação de prédios existentes e pela construção de novos, tanto dentro quanto fora fica ao lado do Renaissance Palazzetto del Belvedere de Innocenzo VIII. Esculturas antigas, muitas vezes integradas pelos restauradores da época, foram colocadas aqui. A arquitetura neoclássica foi construída sob a direção de Alessandro Dori, Michelangelo Simonetti, Giuseppe Camporese e embelezada pelo trabalho de um grande grupo de pintores e decoradores.
Com o Tratado de Tolentino (1797), o Estado da Igreja foi forçado a ceder à França de Napoleão as principais obras-primas do Museu, que foram de fato transferidas para Paris. Mais tarde, após o Congresso de Viena (1815) e graças aos esforços diplomáticos de Antonio Canova, a maioria das obras foram recuperadas.

Biblioteca Apostolica do Vaticano

A Biblioteca Apostólica Vaticana é a biblioteca que a Santa Sé organizou e editou no Vaticano desde o século XV; tem uma das coleções de textos antigos e livros raros entre os mais importantes do mundo desde o primeiro século d.C .A documentação histórica atesta a existência no século IV de um Scrinium, que deveria ser tanto a biblioteca como o arquivo da Igreja Latina, enquanto um documento de 784 (sob o pontificado de Adriano I) fala do bibliothecarius Teofilatto. O Scrínio Papal foi no entanto perdido no século XIII e as sucessivas colecções de livros, das quais existe um inventário realizado durante o papado de Bonifácio VIII (1294-1303), sofreram graves perdas após a sua morte após os movimentos contínuos (em Perugia primeiro, depois para Assis e finalmente para Avignon). Na França, João XXII (1316-1334) iniciou uma nova biblioteca, parcialmente fundida com a da família Borghese no século XVII e retornou com ela em 1891 à Santa Sé.
Entre as peças mais famosas da Biblioteca está o Codex Vaticanus, o mais antigo manuscrito bíblico completo conhecido.

A Biblioteca Apostólica Vaticana contém hoje:

cerca de 1.500.000 volumes impressos antigos e modernos
8.300 incunábulos (deles, 65 em pergaminho)
150.000 códigos manuscritos e cartões de arquivo
300.000 moedas e medalhas
cerca de 20.000 objetos de arte.
80.000 manuscritos
Desde 1985, há um catálogo disponível on-line em volumes impressos modernos. O acesso à Biblioteca é permitido somente a professores universitários e pesquisadores.Parte dos objetos da Biblioteca são exibidos nos Museus da Biblioteca Apostólica Vaticana dos Museus do Vaticano.

Apartamento Bórgia

O espanhol Rodrigo de Borja y Doms (italianizado em Borgia), eleito papa sobre a morte de Inocêncio VIII tomando o nome de Alexandre VI, vincula seu nome a parte da residência usada durante seu pontificado, que durou de 1492 a 1503 e marcado por eventos altamente significativo, como a descoberta da América e o grande jubileu dos anos 1500.
O Apartamento Bórgia inclui seis salas monumentais que foram restauradas e decoradas pelo pontífice,que hoje abriga parte da Coleção de Arte Religiosa Moderna dos Museus Vaticanos inaugurada por Paulo VI (1973): as Salas das Sibilas e do Credo na Torre Borgia; as das Artes Liberais, Santos e Mistérios, alinhadas na ala construída por Niccolò V (1447-1455) e definidas “câmaras secretas” no Diário de Johannes Burckhard, mestre das cerimônias do Papa Alexandre; finalmente, a Sala dei Pontefici na ala mais antiga de Niccolò III (1277-1280). A residência papal ocupou todo o primeiro nível do Palácio Apostólico, compreendendo ainda duas pequenas salas acessíveis da Sala delle Arti Liberali, provavelmente usada como cubículo (quarto) e aquecedor (banheiro), bem como os atuais Salões dos Vestments, Galleriola, Sala della Falda e cubiculum por Niccolò V (não acessível ao público).

Quarto de Rafael

Os Quartos de Rafael,são quatro salas em seqüência que fazem parte dos Museus do Vaticano e são assim chamados porque foram pintados com afrescos pelo grande pintor Urbino e pelos estudantes de sua oficina.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: